MS ATUAL

Entre humilhações e bajulação: a rotina de Moro no auge da crise com Bolsonaro

Após mostrar descontentamento com a decisão de Dias Toffoli de suspender as investigações contra Flávio Bolsonaro, Moro foi humilhado publicamente por Bolsonaro, que pediu que o ex-juiz da Lava Jato deixasse o cargo. O ministro, no entanto, buscou reaproximação bajulando o capitão nas redes sociais

A informação publicada no livro “Tormenta – O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos”, da jornalista Thaís Oyama, de que Jair Bolsonaro chegou a pedir para que Sergio Moro deixasse o Ministério da Justiça traz à tona uma rotina de humilhações promovidas pelo capitão e de bajulação do ex-todo-poderoso juiz da Lava Jato ao chefe para manter-se no cargo.

A crise teve início no mês de julho, quando Moro demonstrou descontentamento com a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, atendeu a um pedido feito pela defesa do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e suspendeu o andamento de todos os processos judiciais do país que foram instaurados sem supervisão da Justiça e que envolvem dados compartilhados pelos órgãos administrativos de fiscalização e controle como o Fisco, o COAF e o BACEN.

No início de agosto, a crise atingiu seu auge e, enquanto Moro era humilhado em eventos públicos por Bolsonaro, o núcleo duro do governo isolava o ex-juiz por sua “ingratidão” ao capitão.

No dia 9 de agosto, Bolsonaro expôs o ministro ao escracho, ao autografar a camisa de um apoiador. Ele pediu que Moro também assinasse e, ao devolver para o dono, o presidente perguntou se o ministro havia escrito “Lula Livre”.

No dia anterior, em live pelo Facebook, Bolsonaro já havia provocado Moro ao indagar se ele iria fazer um “troca-troca” com Ricardo Salles, dando gargalhadas enquanto o ministro se constrangia.

No mesmo dia 9, O Globo, Folha e Estadão destacavam um Moro “menor” e humilhado por Bolsonaro. Os três principais jornais impressos do País deram destaque à humilhação que o ministro da Justiça Sérgio Moro está sendo submetido por Jair Bolsonaro e já rifam o ex-juiz que, no governo, estaria cada dia “menor” em relação ao imponente magistrado que comandava a 13ª Vara Federal de Curitiba com “uma caneta na mão”.

Bajulação

Após a série de humilhações, Moro se prontificou a se redimir e mostrar “fidelidade” a Bolsonaro, iniciando uma série de publicações e declarações bajulando o presidente.

Em 3 dias, o ministro citou Bolsonaro quatro vezes em seu Twitter – igual ao total dos 30 dias anteriores, quando o ministro havia citado o chefe somente quatro vezes em suas postagens.

Moro também mudou o tom com a mídia e começou a apoiar Bolsonaro no ataque aos jornalistas, compartilhando um vídeo em que Bolsonaro tenta intimidar a imprensa ao explicar sobre os “excessos” do Código Penal. “Se excesso de jornalismo desse cadeia, todos vocês estariam presos agora”, diz Bolsonaro, com Moro rindo discretamente ao fundo.

Fonte: Revista Fórum

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *