Financiamento do MST vai fomentar produção de cooperativas do Nordeste

Recursos do Finapop do Nordeste, para agricultores familiares investirem, terão juros menores do que os cobrados pelos bancos

BrasildeFato – O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) lançou nesta segunda-feira (29) o Finapop (Financiamento Popular) do Nordeste, uma proposta para fomentar a produção de agricultores familiares com taxas abaixo do padrão praticado pelos bancos.

A iniciativa, feita em parceria com o ex-banqueiro de investimentos Eduardo Moreira, busca oferecer financiamento para cooperativas dos nove estados nordestinos.

De começo, três cooperativas serão contempladas: Cooperativa Regional dos Trabalhadores Apícolas Assentados e Assentadas da Reforma Agrária (Cooperamel), no Ceará; Cooperativa dos Cacauicultores Familiares do Estado da Bahia (Coopecaba); e Cooperativa Mista das Áreas de Reforma Agrária do Vale do Itapecuru (Coopevi).

A ideia do projeto é arrecadar recursos de pequenos e médios investidores e canalizar a verba para as atividades das cooperativas envolvidas, estimulando a cadeia produtiva do segmento.

“O Finapop é um movimento. De quem é a ideia? As ideias boas não têm patrão, não tem dono. O que nós procuramos é coordenar esse espírito que já existe. É como juntar o consumidor com o agricultor”, explicou João Pedro Stédile, da coordenação do MST, durante o lançamento do programa.

Ele ressaltou que os recursos serão destinados exclusivamente à produção de alimentos saudáveis para o povo. “Nós não vamos usar esses recursos para comprar veneno, para comprar de multinacional, para alimentar o capital financeiro. O Finapop é muito mais um movimento, uma ideia”.

Eduardo Moreira fez um apelo a investidores, para que contribuam com o Finapop em vez de deixar dinheiro parado nas mãos dos bancos.

“Que mundo você quer financiar com seu dinheiro? Se você pudesse ganhar a mesma coisa que você está ganhando no banco, a taxa da caderneta de poupança, só que, em vez de fazer com que esse dinheiro fosse parar em um mundo que você não acredita, esse dinheiro fosse parar numa comunidade que, por exemplo, produz mel, produz leite, produz alimento orgânico? Para você, estaria igual antes em termos financeiros, mas estaria muito melhor em termos de mundo”, disse.

Segundo Lucineia Durãs, representante da Coopecaba, o fundo pode impactar, diretamente, em mil famílias da cooperativa que produz cacau.

“Na nossa perspectiva, é lutar contra as cercas. As cercas do medo, da fome, do latifúndio, da ignorância, da falta de acesso. É por isso que acessar essa possibilidade que o Finapop nos oferece é fundamental para a gente brindar e concretizar esse nosso sonho de uma região cacaueira com mais rentabilidade e com mais sorrisos no rosto de quem produz e de quem consome.”

Sheila Rodrigues, da Cooperamel, também citou os ganhos econômicos que a financiamento pode levar às famílias.

“Esse financiamento vem mais que financiar, vem multiplicar. Nós vamos ter um impacto de mais de 40% na renda das famílias e vamos ter um número de trabalho direto de mais de 200 pessoas, isso sem falar dos beneficiários diretos, que são os apicultores”.

Para Maria Alzerina Carneiro, da Coopevi, a proposta possibilitará que mais pessoas estejam servidas de alimentos saudáveis. “Gostaríamos de aumentar nossa produção de farinha para fazer com que ela chegue na mesa de todos os trabalhadores e trabalhadoras, do campo e da cidade”.

Apoio do Consórcio

Consórcio Nordeste, iniciativa formadas pelos governadores da região, apoia o Finapop. Os governadores do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), e do Piauí, Wellington Dias (PT), participaram do lançamento.

Dino agradeceu pela iniciativa do MST e valorizou a produção de mandioca, produto extremamente importante para a economia local, segundo ele. “É impossível nós construirmos um projeto de combate à desigualdade social sem levar em conta essa base, que é mandioca. Aqui a gente come farinha todo dia”.

Dias disse estar esperançoso para que o projeto alcance bons resultados em todos os estados nordestinos.

“Nós podemos ter, nos nove estados [do Nordeste], condições para trabalhar a captação, através de aplicações de pessoas físicas, tem também a possibilidade de aplicação de outros fundos”.

Fonte: Rede Brasil Atual

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: