China cria loteria para distribuir criptomoeda para 50 mil habitantes

O equivalente a 10 milhões de yuans será distribuído gratuitamente entre os cidadãos para que eles gastem o fundo digital em um espaço bem curto de tempo

China utilizará a cidade de Shenzhen como um grande campo de testes para uma nova criptomoeda que pode vir a se tornar soberana no país. Para tal, serão emitidos milhões de yuans na moeda digital, quantia que poderá ser gasta por habitantes selecionados da forma como eles desejarem.

De acordo com o jornal South China Morning Post, os habitantes de Shenzhen podem se cadastrar em uma loteria que sorteará muitos cidadãos para receberem o fundo digital. Os escolhidos ganharão, no total, criptomoedas equivalentes a 10 milhões de yuans (cerca de R$ 8.200.000 na conversão direta das moedas), valor que poderá ser utilizado em aproximadamente 3.400 lojas do distrito de Luohu, local conhecido por seu comércio agitado.

Serão 50 mil sortudos, os quais receberão cerca de 200 yuans gratuitamente por meio da nova criptomoeda. O valor adquirido só poderá ser gasto até o dia 18 de outubro e não haverá possibilidade de transferência dessa quantia para contas bancárias tradicionais. As moedas que não forem utilizadas até o prazo serão recolhidas.

Já estamos no dia 12 de outubro. Portanto, o processo de sorteio, recebimento e gasto da criptomoeda será rápido. Ao disponibilizar essa vasta quantia e encorajar os habitantes a gastarem seus fundos digitais em um curto espaço de tempo, a China poderá testar a capacidade transacional e a confiabilidade do sistema conhecido como Pagamento Eletrônico em Moeda Digital (DCEP, na sigla em inglês), que está em seu piloto.

Reprodução

O Banco Popular da China está apoiando a promoção da nova criptomoeda. Imagem: Humphery/Shutterstock

O método que está sendo promovido pela China é importante, visto que muitas criptomoedas atualmente em circulação são descentralizadas, o que afrouxa o controle em comparação com a moeda tradicional, mas também aumenta a probabilidade de flutuações no mercado.

Como a nova possível criptomoeda soberana do país é apoiada pelo próprio Banco Popular da China (PBOC), a moeda deve ser considerada uma alternativa digital ao dinheiro controlada pelo governo.

Para se inscreverem, os cidadãos chineses que vivem em Shenzhen devem fazer um cadastro no iShenzhen, aplicativo baseado em blockchain operado pelo governo chinês para dar suporte ao desenvolvimento da moeda digital. Outro aplicativo oficial do estado, o Digital Renminbi, pode ser utilizado como uma carteira eletrônica para armazenar e trocar a criptomoeda.

A China está tentando mudar para uma sociedade sem dinheiro, e alternativas virtuais apoiadas pelo estado podem fornecer os meios necessários para isso. No entanto, isso também pode ser considerado um risco para a privacidade, já que os pagamentos não teriam o anonimato oferecido pelo dinheiro físico tradicional.

Via: ZDNet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: